21 julho 2006

The past temp

Ontem estive lendo coisas que eu escrevi a mais ou menos um ano e meio atrás. Algumas dessas coisas, nem dá pra acreditar que fui eu mesma quem escreveu, outras coisas eu me peguei surpresa e rindo, e em outras quase voltei a sentir dor e a chorar.

Fiquei doente, não aceitei o fato, briguei, soquei mesa de médico, fiz hemodiálise, tive acompanhamento médico, lutei contra pele roxa, ânsias de vômito, tonturas e fraqueza nos ossos, mas a luta maior foi manter essa doença oculta de meus pais, familiares e pessoas que convivem comigo.
Me curei sem pensar em desistir, me entregar, e, enfrentado a Leucopenia descobri o quanto é bom viver.

Estava trabalhando, promoção atrás de promoção, almejando voltar a estudar, almejando mudar de ares. Já tinha até comprado meu carro.
Perdi o emprego "do nada", voltei a estaca zero e adiei meus planos de voltar a estudar e mudar de ares.
Hoje estou trabalhando com contrato temporário numa empresa muito boa, o prazo do contrato está na etapa final e eu desejo muito ficar, ser efetivada.

Conheci pessoas novas e importantes pra minha vida nesse percurso, Manú e Tito foram e continuam sendo essenciais e especiais.
Revi o Dico, um anjo de quem gosto tanto.

Ganhei minha carta de alforria.
Saí muito, pra muita balada, dancei até molhar a camiseta, fiquei três meses no litoral, na casa de meus pais, pensei seriamente em não voltar mais de lá.

Eu e o Nê voltamos a namorar depois de quase um ano sem contato, depois, ele terminou, eu sofri muito, chorei demais e depois resolvi que era hora de seguir em frete, mas depois, aconteceu um sonho de anjo de nome Rafael, e acabamos voltando, o Nê e eu.
O sonho do anjo Rafael acabou, eu tremi na base, e eu achei que fosse desabar, e o Nê foi meu pilar, minha estrutura (e continua sendo).
E estamos juntos, muito juntos, juntíssimos, colados, grudados, como ele falou ontem a noite: "Acelerados! " É até podemos estar acelerados, porém, tudo está valendo muito a pena.

É incrível o que o tempo faz pela gente, é estranho ver que em menos de dois anos a gente passa por coisas que surpreendem depois quando a gente "esquece" e lê por curiosidade.

Tem muito mais coisa, mas esse post teria proporções enormes e não é hora de fazer retrospectivas.

Vi que tem algumas coisas que ainda me fazem um bem danado relembrar, porém o que tem mais são páginas que ainda me fazem muito mal, mas que faço questão de não arrancá-las e de (de vez em quando) lê-las, pois é estudando o passado que corrigimos o presente.

5 comentários:

Redd disse...

eh sempre bom ver o quanto a gente evoluiu, quantas coisas boas aconteceram com a gente em um certo periodo de tempo, neh? apesar das coisas chatas, ruins, incomodas, sao as coisas boas, por menores que sejam, q fazem o resto valer a pena!

Julis disse...

Nossa Kika não sabia que vc tinha passado por essa barra, isso dava um livro heim?

Beijos

Elketra disse...

Kris,

Obrigada por ser lembrada!
Sabes bem que a força aí de dentro sempre foi maior,e como desejei vivenciar o mesmo sentimento de vitória.
A conclusão de cada dia me torna feliz porque não se acovarda perante aos acontecimentos, muitas vezes nos colocam lá embaixo..nem sempre estamos na posição de nos conformar..
É isso que sinto em vc..
Não se conforma pelas injustiças impostas pela sua própria vida ..eluta..e segue..e sorri..e vive cada dia melhor pois acredita no verdadeiro poder que o amor influencia em cada momento..

Vc é demais amiga....

Te adoro , estarei sempre contigo.

Beijos

Mariana disse...

Voltei. E vim aqui agradecer pelo apoio. Vejo que tb ja passou por maus bocados, eu espero que tudo esteja bem agora. Um beijo!

Mariana disse...

Eu aqui de novo. Beijos e lambidas da Xana pra Nina